Canção do suicida

Imagem de Mário Quintana

Poema de Mario Quintana



De repente, não sei como
Me atirei no contracéu.
À tona d'água ficou
Ficou dançando o chapéu.

E entre cascos afundados,
Entre anêmonas azuis,
Minha boca foi beber
Na taça do Rei de Tule.

Só minh'alma aqui ficou
Debruçada na amurada,
Olhando os barcos... os barcos!...
Que vão fugindo do cais.



Fonte: "Quintana de Bolso", Editora L&PM Pocket, 2007.
Originalmente publicado em: "Canções", 1946.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.