Ainda à espera

Imagem de crroma

Poema de crroma



Uma mulher ainda não um homem,
ainda um animal doméstico.
Uma mulher menor do que um homem,
pior do que um homem.
Uma mulher o ser monotônico, rosa,
de lugar definido.
Uma mulher a fêmea da espécie,
prestando-se ao instinto do sexo, e serve,
submete-se.
E nessa adesão à sociedade se integra
parcial, imperfeitamente:
uma mulher o prazer de pintar as unhas,
de calçar os sapatos,
matéria sem profundidade, em movimento.
Um semi-objeto em residências, escritórios,
um quadro pendurado na parede, um abajur
no criado-mudo, um ornamento em cerâmica.
Uma mulher ainda não mulher,
ainda à espera do humano.
Mas não há como haver o humano.
O humano ainda não humano,
os homens ainda hominídeos, ainda
bestializados primatas, falantes,
de barbas
grisalhas.
O humano ainda sem plena expressão,
ainda à espera
de mulheres e homens.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.