Perturbação

Imagem de Murilo Mendes

Poema de Murilo Mendes



No limiar do vento hesito:
A lembrança dum antigo amor
Me arrepia e espanta as borboletas.

Estamos transidos de melancolia
Como numa gravura do ano de 1613.

Ouve-se uma conversa atrás do abismo
É Jerônimo o florista
Com a nora do peixeiro.

Desta varanda se descortina o mar noturno
Poderoso.

Entretanto existe alguém mais forte ainda
Carregando conchas de mortos:
O fantasma mecânico da guerra
Que passa
Com seu penacho de fumaça e sangue.



Fonte: "O Menino Experimental", Summus Editorial, 1979.
Originalmente publicado em: "Mundo Enigma", Livraria do Globo, 1945.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.