A pérola


Poema de Carmen Freire



Oh! tu que habitas entre os ínvios mares,
Pérola rara de nitente alvura,
Cópia divina de imortal candura,
Deusa oculta em marítimos altares;

Desprende-te dos nítidos colares,
Transforma-te em humana criatura,
E então, mulher, prodígio d'escultura,
Com o teu amor afasta-me os pesares.

Sê tu o alento, o poderoso veio
Que, penetrando a curva do meu seio,
Torne-me a vida ardente e venturosa.

E, mostrando-me as fôrmas peregrinas,
Visão da noite em sonhos cor de rosa,
Dá-me n'um beijo sensações divinas.



Fonte: "Visões e Sombras", Casa Mont'alverne, 1897.
Originalmente publicado em: "Visões e Sombras", Casa Mont'alverne, 1897.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.