O jornal paulista

Imagem de crroma

Poema de crroma



O dono do jornal masca chicletes.
A pedradas de estilingue
ele mata um passarinho.

O diretor de redação desce,
sem freios,
a ladeira de bicicleta. Depois,
no muro da oficina,
rabisca um palavrão feio.

O conselheiro editorial
fustiga o nariz com o dedo.
Tem os pés sujos de terra.

O editor da seção
tropica na calçada,
rala os dois joelhos.
Ele prende um gato no saco,
joga o saco no rio.
Afundando, o gato
mia caetano.

A tarde miscigena
o tédio com a letargia,
até que da porta
dos fundos das casas
chamam pretas as empregadas
para jantar.

No fim da rua
as máquinas não cessam
de consumir papéis em bobinas,
de beber baldes de tinta
na impressão do jornal.

Trabalham à sombra
de uma monumental estátua,
pura como de leite,
árida como se cal,
talhada em mármore nu.

Uma estátua
naturalmente bruta,
e como tudo que é bruto,
sem caráter nenhum.



Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.