O homem permanecido

Imagem de Adélia Prado

Poema de Adélia Prado



Era uma vez
uma venta fremente e um duro queixo.
Era uma vez um pisado de levantar pedra e poeira.
O que chamam de morte devastou com as narinas, o maxilar,
o dorso dos pés e sua planta.
Sobrou um gesto reto no espaço, a fremência,
um modo de passos e voz.
Eu lembro coisas que acontecerão:
era uma vez um homem que está rijo e cantante,
sem o espírito e a lei da gravidade,
alegre de nenhuma ameaça.



Fonte: "Bagagem", Editora Civilização Brasileira, 2006.
Originalmente publicado em: "Bagagem", Editora Imago, 1976.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.