Instante

Imagem de Carlos Drummond de Andrade

Poema de Carlos Drummond de Andrade



Uma semente engravidava a tarde.
Era o dia nascendo, em vez da noite.
Perdia amor seu hálito covarde,
e a vida, corcel rubro, dava um coice,

mas tão delicioso, que a ferida
no peito transtornado, aceso em festa,
acordava, gravura enlouquecida,
sobre o tempo sem caule, uma promessa.

A manhã sempre-sempre, e dociastutos
eus caçadores a correr, e as presas
num feliz entregar-se, entre soluços.

E que mais, vida eterna, me planejas?
O que se desatou num só momento
não cabe no infinito, e é fuga e vento.



Fonte: "Antologia Poética", Editora Record, 2001.
Originalmente publicado em: "Poemas", José Olympio, 1959.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.